Logo ADESG

ADESG Associação dos Diplomados da Escola Superior de Guerra

Administração Nacional - RJ

Menu Principal

16:58

Menu Lateral

Você está em: ADESG » Notícias » M. Defesa » Aeronáutica » Visualizar notícia:

Diminuir FonteAumentar Fonte

ADESG - OPERAÇÃO ATLÂNTICO – P-3AM participa pela primeira vez de exercício coordenado pela Defesa

OPERAÇÃO ATLÂNTICO – P-3AM participa pela primeira vez de exercício coordenado pela Defesa

Chamadas de "Guardiães do Pré-Sal", aeronaves de patrulha P-3AM deixaram a sede em Salvador e operam a partir da Base Aérea de Florianópolis (BAFL), durante a Operação Atlântico III, que reúne a Marinha, o Exército e a Força Aérea Brasileira (FAB) na área marítima entre as regiões Sul e Sudeste do país, que integram a Amazônia Azul.
É a primeira vez que as aeronaves de patrulha marítima P-3AM participam de uma operação coordenada pelo Ministério da Defesa. “Exercícios militares como esse se traduzem em um importante ganho operacional para as nossas tripulações”, afirma o Comandante da Força Aérea Componente 106 (FAC -106), Major-Brigadeiro Carlos Eurico Peclat dos Santos, responsável pelo emprego de todos os meios aéreos no treinamento.
A Operação iniciada nesta segunda-feira (19/11), mobiliza 10 mil militares que aprimoram técnicas e doutrinas de forma conjunta para a defesa dos recursos do mar e das estruturas estratégicas do Brasil como portos, refinarias e usinas hidrelétricas. Até o fim do mês, as três Forças vão realizar manobras que incluem controle de tráfego marítimo e aéreo, patrulha marítima, missões de interceptação, transporte aéreo logístico e defesa antiaérea.
Além do quadrimotor P-3AM, a Força Aérea Brasileira disponibiliza ainda aeronaves de ataque, de patrulha, de transporte e helicópteros. A Marinha emprega navios escolta, navios de apoio, submarinos, navios-patrulha e helicópteros. O Exército participa da operação com viaturas de transporte, blindados e ambulâncias.
O comando da Operação Atlântico está a cargo do Almirante-de-Esquadra Gilberto Max Roffé Hirschfeld, Comandante de Operações Navais, que terá o apoio de um Estado-Maior Conjunto, sediado no Rio de Janeiro.
Além das atividades militares, serão realizadas Ações Cívico-Sociais (ACISO) na área do exercício. Comunidades locais receberão atendimentos médicos e odontológicos realizados por profissionais militares de saúde.

SAIBA MAIS SOBRE O P-3AM

O P-3AM Orion devolveu há cerca de um ano à Força Aérea Brasileira a capacidade de detectar, localizar, identificar e, se necessário, afundar submarinos. É o que o jargão militar chama de guerra antissubmarina (ASW, na sigla em inglês).
Além da capacidade ASW, o P-3AM também carrega armamentos como os mísseis Harpoon, capazes de afundar navios de guerra além do alcance visual. Com quatro motores, a aeronave tem grande autonomia, podendo permanecer em voo durante 16 horas - isso equivale a uma viagem de Recife a Madri sem escalas. Os sensores eletrônicos embarcados na aeronave são os mais modernos que existem. Tudo isso confere ao P-3AM a capacidade estratégica de vigilância marítima de longo alcance. Soberania - A Petrobrás estima que a camada do pré-sal contenha o equivalente a cerca de 1,6 trilhão de metros cúbicos de gás e óleo. Toda essa riqueza encontra-se no Oceano Atlântico, na zona econômica exclusiva (ZEE) brasileira. O P-3AM esta envolvida na vigilância dessa área.
Além do patrulhamento dessa área estratégica, o P-3AM assumiu um papel determinante nas missões de busca e salvamento. Por força da Convenção de Chicago, assinada com a Organização de Aviação Civil Internacional (OACI), o Brasil é responsável pela busca e salvamento de aeronaves e navios numa área de mais de 6 milhões de km² (praticamente todo o Atlântico Sul).
Os P-3AM da FAB equipam o Esquadrão Orungam (1º/7º GAV) que opera na Base Aérea de Salvador, uma unidade histórica para a Aviação de Patrulha brasileira.
A aeronave também ajuda na defesa do meio ambiente, identificando os responsáveis pelo derramamento de óleo, tanto acidentais quanto provocados. Algumas embarcações que transportam petróleo costumam lavar os tanques com a água do mar. Essa prática criminosa deixa uma mancha de óleo que polui e afeta a vida marinha. Os sensores do P-3AM conseguem identificar os rastros na superfície do mar e, desta forma, rastrear a embarcação, mesmo muitas horas depois da abertura dos tanques. O P-3AM pode fotografar o navio infrator e encaminhar as fotos com um relatório para as autoridades ambientais, que com as provas poderão aplicar multas.

Fonte: Agência Força Aérea

« voltar

Notícias Relacionadas

» Veja todas as notícias

Entre em contato

"Um só Coração e uma só Alma pelo Brasil" Logo ADESG ADESG Nacional - +55 (21) 2262-6400
Palácio Duque de Caxias
Praça Duque de Caxias nº 25 - 6º andar - Ala Marcílio Dias
CEP 20221-260 - Rio de Janeiro - RJ