Logo ADESG

ADESG Associação dos Diplomados da Escola Superior de Guerra

Administração Nacional - RJ

Menu Principal

20:45

Menu Lateral

Você está em: ADESG » Notícias » Geral » Ciência » Visualizar notícia:

Diminuir FonteAumentar Fonte

ADESG - O conhecimento científico precisa se tornar mais acessível, dizem pesquisadores

O conhecimento científico precisa se tornar mais acessível, dizem pesquisadores

O meio científico precisa fazer um esforço para que a pesquisa científica atravesse os muros de universidades e institutos especializados e seja levada ao grande público. Esse é um desafio enfrentado tanto em países líderes em pesquisa científica, como a Alemanha, quanto em emergentes, como o Brasil, que têm procurado ampliar suas fronteiras nas áreas do conhecimento. Tal esforço pode ser canalizado para os diferentes meios de divulgação, como revistas especializadas, livros, sites, redes sociais, exposições, manifestações artísticas e culturais.
Essa foi a chave do debate “Divulgação científica no Brasil e na Alemanha”, realizado em São Paulo. Promovido pelo Centro Alemão de Ciência e Inovação São Paulo (DWIH-SP) e pela Sociedade Max Planck – instituto de pesquisa da Alemanha -, em parceria com o Ministério da Ciência, Tecnologia e Informação (MCTI), a discussão marcou o início de uma série de palestras com temáticas científicas que integram a temporada Alemanha + Brasil (2013-2014) e acontecem até meados de fevereiro na capital paulista.

Nas discussões desta terça-feira, os pesquisadores Peter Steiner, da Sociedade Max Planck, Ildeu Moreira, da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), e Glória Queiroz, da Universidade Estadual do Rio de Janeiro (UERJ), mediados pelo diretor de Popularização e Difusão da Ciência e Tecnologia do MCTI, Douglas Falcão, aprofundaram o conceito de divulgação científica para além dos círculos especializados da academia. Moreira sintetizou essa reflexão ao mencionar um escrito de 1924, de Albert Einstein, em um jornal berlinense, no qual o físico alemão dizia que a “ciência é uma substância essencial e deve ser fornecida a todas as partes da sociedade”.

Interesse por ciência

Segundo a pesquisa "Percepção pública da Ciência e Tecnologia no Brasil", apresentada por Moreira, 30% da população brasileira é muito interessada em ciência e tecnologia (C&T); 35% é interessada; 20% possui pouco interesse; e 15% não tem.

Na opinião do professor, o índice de pessoas que demonstraram alto interesse por assuntos de C&T é satisfatório e está pouco abaixo do demonstrado no tema esportes, pelo qual 36% dos brasileiros se declaram muito interessados; 26% possuem interesse; 21%, pouco interesse; e 17% dizem não ter interesse.

Um dos problemas, diz o pesquisador, está no abismo entre o interesse e a absorção das informações sobre C&T. Pelos dados de Moreira, uma média de 10% dos brasileiros têm acesso à C&T, por meio de publicações especializadas.

Segundo a mesma pesquisa, se a frequência nos museus dobrou entre 2006 e 2010, passando de 4% para 8,3%, “ainda está muito abaixo das médias europeias”. “O nosso grande desafio é atingir setores mais amplos e pobres da população, que estão nas periferias dos grandes centros”.

Ele citou como exemplo para a difusão de C&T a inauguração de museus em diferentes regiões do país, como na Amazônia, Duque de Caxias (RJ), Aracaju, João Pessoa, em Minas Gerais e no Rio Grande do Sul. Também comentou sobre a Olimpíada Brasileira de Matemática das Escolas Públicas (Obmep), que teve início em 2005 e “começam a ter um impacto sobre o ensino da disciplina no país”.

Steiner disse que a disseminação de C&T ao público leigo é um desafio também para Alemanha e ressaltou que existe uma “contraposição entre a comunidade científica que circula em volta de si mesmo, se confronta com a opinião pública e não consegue se comunicar corretamente”.

Para efetuar essa comunicação, o pesquisador defende atuação em duas frentes: divulgação de artigos nos meios de comunicação e por meio de publicidade, o que inclui exposições e iniciativas como os barcos que transportam informações científicas pelos canais alemães.

Financiamento

O representante da Sociedade Max Planck mencionou as várias organizações públicas de pesquisa alemãs, como Leibniz, DAAD, Alexander Von Humboldt, HRK, além de fundos estatais como fontes de financiamento e estímulo à pesquisa. E surpreendeu a plateia - formada por pesquisadores e estudantes de comunicação pública da ciência, medicina, física, astronomia e química - ao informar que, do orçamento de 75,5 bilhões de euros destinados à ciência na Alemanha, 51 bilhões de euros provêm de fundações privadas dedicadas à C&T, a exemplo de empresas automotivas.

No Brasil, a quase totalidade das verbas é de origem pública, como ressaltaram Moreira e Falcão, representante do MCTI.

Glória Queiroz focou em estudos que apontam a formação de professores mediadores, ou seja, profissionais que atuam no ensino de ciência nos museus brasileiros, uma tendência que, segundo ela, cresce desde meados da década de 1990 como alternativa à educação formal de C&T nas salas de aula.

Túnel da Ciência

Exemplo de popularização dos grandes temas da Ciência é a exposição “Túnel da Ciência Max Planck”, organizada pelo instituto homônimo alemão, em parceria com o MCTI, que será inaugurada nesta quarta-feira (29), no sexto andar do Shopping Frei Caneca, na região central de São Paulo. A mostra é gratuita e apresenta ao grande público assuntos como universo, sociedade, saúde, sistemas complexos e cérebro, por meio de módulos multimídia.

A expectativa dos gestores do ministério é de absorver a expertise dos alemães na realização de uma mostra dessa complexidade, até mesmo no que se refere à logística de transporte das peças, de forma a aplicá-la em mostras itinerantes brasileiras de C&T. Também esperam estimular ainda mais as parcerias científicas entre estudiosos brasileiros e centros de pesquisa internacionais, a exemplo do próprio Max Planck, além de fazer chegar à população esse tipo de conhecimento, de forma prazerosa e acessível.

“O desafio é fazer com que qualquer pessoa, de qualquer nível educacional, possa se apropriar dessa exposição. Temos o objetivo de levantar como será a percepção do público brasileiro dessa mostra para nos orientar em eventos futuros”, comentou Falcão.



Fonte: Fernando Salgado – Ascom do MCTI

« voltar

Notícias Relacionadas

» Veja todas as notícias

Entre em contato

"Um só Coração e uma só Alma pelo Brasil" Logo ADESG ADESG Nacional - +55 (21) 2262-6400
Palácio Duque de Caxias
Praça Duque de Caxias nº 25 - 6º andar - Ala Marcílio Dias
CEP 20221-260 - Rio de Janeiro - RJ