Logo ADESG

ADESG Associação dos Diplomados da Escola Superior de Guerra

Administração Nacional - RJ

Menu Principal

06:26

Menu Lateral

Você está em: ADESG » Notícias » Geral » Ciência » Visualizar notícia:

Diminuir FonteAumentar Fonte

ADESG - Ministros consideram manifesto sobre orçamento em pesquisa "provocação positiva"

Ministros consideram manifesto sobre orçamento em pesquisa

Os ministros da Ciência, Tecnologia e Inovação, Marco Antônio Raupp, e da Educação, Aloizio Mercadante, consideraram o manifesto publicado por entidades representativas da indústria brasileira e da comunidade científica do país como uma “provocação positiva” do assunto. O comunicado da categoria, que defende revisão da redução de orçamento da pasta, foi publicado hoje em vários veículos de comunicação.

“Fomos provocados positivamente, pelos colegas da comunidade científica e empresarial, sobre recursos para ciência e tecnologia. Mas é preciso fazer reparos. Existem vários itens que são importantes de ser considerados, que somam aos recursos orçamentários do ministério e elevam recursos, muito aquém do que os empresários estão trabalhando”, comentou Raupp.

O orçamento previsto para a pasta em 2012 era R$ 6,7 bilhões. No entanto, o valor foi reduzido para R$ 4,7 bilhões após o ajuste orçamentário de R$ 55,07 bilhões anunciado pelo governo federal.

Apesar de considerar o diálogo positivo, o titular da pasta de Ciência, Tecnologia e Inovação, contesta os cálculos feitos pelas entidades representativas. “Contesto as contas que eles fazem. Quando falam que investimentos estão diminuindo, não levam em consideração outros investimentos. Um exemplo é própria Finep [Financiadora de Estudos e Projetos, agência de fomento vinculada ao ministério] vai investir mais R$ 6 bilhões. Esse valor significa que vai dobrar o orçamento, o que modifica completamente o quadro”, argumentou.

Para Mercadante, o crédito proposto pela Finep objetiva estimular a participação das empresas privadas como colaboradoras nos investimentos à ciência, tecnologia e inovação. “Colocamos mais recurso para crédito exatamente para incentivar a empresa privada a fazer inovação. No caso da Finep, é basicamente crédito para inovação, o que significa atender à demanda de inovação da indútria e gerar competitividade”, disse o ministro da Educação.

Os ministros defenderam maior participação das empresas privadas nos investimentos à inovação. “Grande desafio é a participação das empresas, do mundo empresarial em geral, investindo em ciência e tecnologia. Isso é característica dos países que estão crescendo nessa área, todos eles, onde os investimentos das empresas são bem maiores que os de governo”, observou Raupp.

A meta do governo é aumentar a participação empresarial em pesquisa e desenvolvimento para 0,90% do Produto Interno Bruto (PIB). O valor corresponderia à metade dos investimentos no setor, visto que a estimativa do governo é chegar a 1,8% do PIB, nesse mesmo período. Atualmente, a participação do setor privado está em 0,55% e a do governo, em 0,61%, segundo dados do Ministério de Ciência e Tecnologia.

Fonte: Luciene Cruz/Repórteres da Agência Brasil

« voltar

Notícias Relacionadas

» Veja todas as notícias

Entre em contato

"Um só Coração e uma só Alma pelo Brasil" Logo ADESG ADESG Nacional - +55 (21) 2262-6400
Palácio Duque de Caxias
Praça Duque de Caxias nº 25 - 6º andar - Ala Marcílio Dias
CEP 20221-260 - Rio de Janeiro - RJ